domingo, 19 de dezembro de 2010

Resenha Crítica do Filme "Daens: Um grito de Justiça"

Referência: Filme Daens, Um grito de Justiça. Autores (roteiristas): Louis Paul Boon e François Chevallier. Dirigido por Stijn Coninx, 1993.

         O filme se passa em Aalst, na Bélgica, no século XIX. Quando acontecem as primeiras rebeliões trabalhistas por melhorias no processo de trabalho. Nessa época a classe operária não dispunha de leis ou benefícios, que os auxiliasse. Eram explorados desumanamente pelos burgueses, que só queriam retirar deles toda força de trabalho possível, sem se importar com sua qualidade de vida, ou mesmo sua saúde.
        O filme mostra  as péssimas condições de trabalho dentro da industria, e a miséria vivida pelos operários. Empregavam crianças e mulheres, com a intenção de pagar salários bem inferiores aos dos homens,as mulheres continuavam trabalhando até o nono mês de gravidez, e os trabalhadores eram submetidos a cargas horárias exauríveis.     
       Era normal acidentes de trabalho, principalmente envolvendo crianças. Eram constantemente ameaçados de serem dispensados do trabalho,pois possuíam menos valor do que as máquinas que operavam. Constantemente pagavam multas absurdas e injustas que eram descontadas de seus salários, já pequenos.
          Pelo fato de na Bélgica, predominarem dois idiomas, no norte falam holandês e no sul francês. Dificultava ainda mais o processo de unificação desses trabalhadores. Já que não havia uma única língua que todos entendessem.
         Quando o padre Daens chega a cidade,esse que já havia arrumado problemas com muita gente durante seus nove anos de ministério, procura tranformar a conciência dos trabalhadores locais que estavam totalmente sujeitos aos desmandos da burguesia. A começar pelo Jornal católico que usou para alertar os operários da real situação,ofendendo assim os interesses da classe dominante. Essa que estava sempre arrumando meios de lucrar mais e mais em cima do proletariado, diminuindo os salários e se justificando coms argumentos do tipo: eles gastavam parte deste com bebida e etc.
           O padre Daens, ao contrário da maioria dos outros padres, procura desenvolver um certo nível de relacionamento com a classe mais pobre, que se  surpreendiam com a atitude. O que mostra a negligência da igreja com a pobreza nessa época. Pregavam que se havia desigualdades sociais na terra, é porque era da vontade de Deus que houvessem.  Demonstrando-nos a alienação imposta pela igreja a essas pessoas.
          Porém Daens começa a defender o sufrágio universal, em lugar do censitário.Inclusive pregando na igreja a esse respeito, mesmo contra a vontade de seus superiores. A elite não aceitou as ideias do padre assim tão facilmente, e a repressão foi conseqüência. Todavia, a lei que regulamentava o voto universal foi aprovada.
           Então o padre Daens se candidata a deputado, sem o apaio da igreja católica, no intuito de defender os interesses dos trabalhadores instruindo a população e principalmente os analfabetos a usarem o poder do seu voto para garantir melhorias de vida. E consegue ser eleito. A repressão da própria igreja catolica chega ao cúmulo de lhe tirar a batina, porém Daens continua na luta pelos direitos absurdamente negados aos trabalhadores.
           O filme relata a luta pela justiça Social, utilizando o voto universal como a forma de tomar decisões mais democráticas a nível de país.

Um comentário:

  1. vi esse filme
    e acabei de pruduzir um relátorio sobre ele
    e seu pots me ajudou bastante!!!

    é horrivel a situação no séc xix
    esse filme ilustra muito bem como era a vida sócio-politica da época
    eu comecei o curso de serviço social esse ano em fevereiro
    gostei muito do filme porque é de facíl compreensão


    aliasss vou seguir seu blog
    é muito importante pra mim acompanhar
    todos quem faz o curso
    ainda mais quando é de ouuuuutro estado



    siga me
    http://paminblogg.blogspot.com/

    ResponderExcluir